Weby shortcut
topo.jpg

Procissão do Fogaréu

Atualizado em 19/11/14 09:21.

 

PROCISSÃO DO FOGARÉU


            A Procissão do Fogaréu acontece anualmente durante a Semana Santa na Cidade de Goiás, antiga capital do Estado de Goiás. É uma festa que foi retomada na década de 1960 por iniciativa de membros da Organização Vilaboense de Artes e Tradições – Ovat. Contam seus organizadores que no início foi difícil organizar tal festejo, pois não havia um número regular de participantes e as despesas eram grandes. Hoje a Ovat possui  um guarda-roupa permanente, o que facilita o quesito dos preparativos. Outros benefícios são as ajudas externas e a grande exposição de tal festa junto à mídia.

            Atualmente participam da Procissão do Fogaréu quarenta homens que se fantasiam de Farricocos,  sendo estes a atração maior da celebração festiva que percorre ruas e becos da antiga Vila Boa de Goiás. As indumentárias são simples, mas de grande efeito visual, compondo-se de túnicas retas e de mangas compridas com uma faixa branca amarrada à cintura, fazendo contraste com as vestes em vermelho, amarelo, azul escuro, roxo, verde escuro, laranja dentre outras cores. Há apenas um Farricoco que usa túnica branca, sendo sua faixa vermelha. Ele é o responsável por carregar o estandarte com o rosto de Cristo e possui lugar de destaque à frente dos demais.

            No início da noite de quarta-feira da Semana Santa, o grupo se reúne em frente ao Museu da Boa Morte, no centro da cidade, para ensaiar o trajeto da Procissão. Elder Camargo de Passos é quem realiza este trabalho desde a reimplantação desta festa, mas hoje já conta com o apoio de seu filho. Terminado o ensaio o grupo retorna ao Quartel do Vinte para as últimas informações. Há uma chamada e os presentes recebem uma camiseta da Procissão do Fogaréu – passaporte para entrar no Quartel momentos antes da Procissão.

            Por volta das 22 horas chegam as pessoas que vão se aprontar de Farricoco e poucos minutos antes da meia-noite a turma, já com as vestimentas, dirige-se para a porta da igreja/museu da Boa Morte, junto com uma banda que dará ritmo à caminhada. As luzes da cidade são apagadas e turistas e demais participantes recebem tochas. A Procissão se desloca  passando pela ponte sobre o Rio Vermelho em frente à Casa de Cora Coralina e chegando à igreja do Rosário, onde há a primeira parada, em seguida caminham por entre ruas e becos até chegar à igreja de São Francisco onde o bispo faz uso da palavra. Em frente, na Casa do Iphan ,reúnem-se autoridades, por entre os Farricocos, para assistir à cerimônia. Após o término da pregação, a Procissão volta para seu ponto de partida na Boa Morte e ali é finalizada. Os Farricocos retornam ao Quartel do Vinte onde guardam as indumentárias.

            No fim da tarde há apresentação de uma escola local em que as crianças simulam a Procissão do Fogaréu na Praça do Coreto. Este e mais alguns detalhes da Procissão do Fogaréu estão expostos em imagens capturadas - por João Guilherme da T. Curado - na noite de quarta-feira, dia 19 de março de 2008.

 

Texto:

João Guilherme da T. Curado,

Tereza Caroline Lôbo.

 

É permitida a cópia de fotos, desde que seja citada sua fonte, atribuindo os créditos ao devido autor do álbum.

 

CLIQUE NAS FOTOS PARA AMPLIÁ-LAS

Ensaio da Procissão do Fogaréu - início da noite

Tochas a serem carregadas pelos Farricocos

Banda que acompanha e dá ritmo à Procissão do Fogaréu

Últimas orientações aos Farricocos

Saída dos Farricocos do Quartel do Vinte

Farricocos a caminho do Museu da Boa Morte para início da Procissão

As luzes da cidade são apagadas para a Procissão

Visitantes recebem tochas menores para iluminar o trajeto da Procissão

As tochas dos Farricocos são acesas

Início da Procissão

A Procissão pelas ruas de Goiás

Parada na Igreja do Rosário - assédio da imprensa

Parada na igreja de Sâo Francisco

As luzes da Procissão em contraste com a escuridão da cidade

 

De volta à porta do Museu da Boa Morte

 

Mais uma vez o estandarte é mostrado - fim da Procissão

O estandarte é carregado pelo único Farricoco que veste-se de branco

A devolução das tochas pelos Farricocos no Quartel do Vinte

 

As tochas dos visitantes são recolhidas por universitários

No fim de tarde, antes da Procissão, crianças realizam encenação dos Farricocos mirins..

Listar Todas Voltar