Weby shortcut 1a5a9004da81162f034eff2fc7a06c396dfddb022021fd13958735cc25a4882f
topo.jpg

Reinado em Pirenópolis

Atualizado em 19/11/14 09:21.

NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO E SÃO BENEDITO EM PIRENÓPOLIS
 

O Reinado de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e o Juizado de São Benedito são festejos de negros escravos do século XVIII, que ocorrem, todos os anos, em Pirenópolis/Goiás durante a festa do Divino Espírito Santo. Não há uma data precisa da junção destas festividades, mas sabe-se  que São Benedito e Nossa Senhora do Rosário são comemorados em Pentecostes desde final do século XIX.

Os referenciais ritualísticos que concorrem para a estruturação desses festejos são obtidos no catolicismo popular, tendo como centro de sua realização dois dias no calendário das comemorações ao Divino Espírito Santo: segunda-feira dedicada a Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e terça-feira a São Benedito.

No domingo que antecede o domingo de Pentecostes, após a novena do Divino, tem-se o ritual de benzimento das bandeiras destes dois santos realizado na igreja da Matriz.  Em seguida essas bandeiras são conduzidas por um pequeno cortejo até à Igreja do Bonfim e levantadas nos mastros acompanhadas da queima das fogueiras. Nas manhãs de segunda e terça-feria, após o domingo do Divino, tem-se os cortejos do Reinado e Juizado, as missas e a farta distribuição de “doces” (salgados e/ou doces de frutas) e bebidas, principalmente os licores. Tudo isso acompanhado pelas bandeiras dos santos homenageados, as insígnias (coroas de prata, quadros, prato do andador e as varas de madeira e de prata dos Juízes), Banda de Couro – banda típica do Reinado e Juizado -, Banda de Música, Congada, Congos e os acompanhantes.

O Reinado de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos teve como rei, em 2009, o jovem Apoema Pireneus de Oliveira e como rainha, sua tia Colandi Carvalho Oliveira; o Juizado teve como juiz e juíza do cordão Maurício Imenes e sua esposa Gislene da Trindade Imenes. Estes são os responsáveis pela realização da farta distribuição de “comes e bebes”,  sendo comum ter até quatro comemorações quando rei, rainha, juiz e juíza não têm parentesco ou não se juntam para organizar a recepção  (no caso deste ano foram duas recepções). 

As celebrações dos festejos do Reinado e do Juizado em Pirenópolis são configuradas em três momentos rituais, que indicam os lugares de realização da festa: as casas do rei, rainha, juiz e juíza, as ruas por onde os cortejos passam e a Igreja.Na segunda-feira pela manhã, o Reinado saiu da casa do juiz e da juíza de São Benedito e, em cortejo pelas ruas da cidade, buscou o rei e a rainha de Nossa Senhora do Rosário em sua residência. O cortejo ampliado seguiu para igreja da Matriz, onde aconteceu a missa em homenagem à Nossa Senhora do Rosário. Ao final da missa, o cortejo, contando neste momento com centenas de partícipes, foi para a casa do rei e da rainha de Nossa Senhora do Rosário para a festa de distribuição de doces, terminando com a devolução do juiz e da juíza de São Benedito às suas casas.  Na terça-feira o ritual se repetiu homenageando São Benedito e invertendo a ordem dos quadros, pois, foram o rei e a rainha de Nossa Senhora do Rosário que buscaram os componentes do Juizado.

As Irmandades de Nossa do Rosário dos Pretos e a de São Benedito,  compostas em sua maioria por negros escravos e forros, eram as responsáveis pela manutenção e organização das atividades na Igreja de Nossa Senhora dos Pretos – demolida na década de 1940. Para se chegar a rei, rainha, juiz ou juíza tinha que ser aprovado pelas mesas diretoras das irmandades e pagar em ouro, as chamadas jóias, aos santos homenageados. Esses participantes adquiriam ainda o direito a um funeral como o dos brancos e eram enterrados dentro da igreja. Desde a década de 1990 o Reinado e o Juizado são organizados por Geraldo Herculano de Oliveira, filho de Jackson Basílio de Oliveira, que presidiu as Irmandades nos seus últimos anos de atuação – final da década de 1960 - por isso não há sorteios e nem o cumprimento da hierarquia das varas de madeira e prata, que eram decididas pelas mesas diretoras das Irmandades.

Mesmo não existindo mais a igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e as irmandades, os festejos, na atualidade, continuam ligados à tradição local, contando em sua maioria, com a presença de pirenopolinos que têm identificação individual e até coletiva com o momento. Os partícipes são de diversas classes sociais que, mesmo não tomando parte como atores centrais, rei, rainha, juiz ou juíza,  contribuem para a realização e a ampliação dos festejos.

As imagens são dos festejos de 2009 e foram fotografadas por Tereza Caroline Lôbo.

 

Texto:   Tereza Caroline Lôbo

              João Guilherme da Trindade Curado

 

Fontes:

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O Divino, o Santo e a Senhora. Rio de Janeiro, FUNARTE, 1978, 163p.

CURADO, João Guilherme da Trindade, LÔBO, Tereza Caroline. A híbrida religiosidade negra nos festejos do Reinado e Juizado em Pirenópolis-GO. Texto apresentado no V Simpósio Internacional do Centro de Estudos do Caribe no Brasil: Fronteiras em Movimento: África – Brasil – Caribe. Salvador, Bahia. Set/Out – 2008.

LÔBO, Tereza Caroline. A Singularidade de um Lugar Festivo: O Reinado de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e o Juizado de São Benedito em Pirenópolis. Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 2006. 152 p. Dissertação de Mestrado. 

 

É permitida a cópia de fotos, desde que seja citada sua fonte, atribuindo os créditos ao devido autor do álbum.

 

Imagem de Nossa Senhora do Rosário

Imagem de São Benedito

Levantamento do mastro de São Benedito

Mastro de Nossa Senhora do Rosário

Juiz e Juíza do Cordão do Juizado

Formação do cortejo na porta da Matriz

O cortejo pelas ruas da cidade

A Rainha de Nossa Senhora do Rosário junto com a Banda Phoenix

Distribuição de salgados

Doces tradicionais

Muitas cores, muitos sabores

Mesa farta...

...a tradição do bem servir

licores, bebidas que não podem faltar

A multidão presente na casa dos juízes de São Benedito

 

Listar Todas Voltar